11.5.10

O amante arrependido

Ó, mui bela, tu que me enamoras!
Para te atentares não corroê-lo,
Dar-to-ia, se por outra não
Se rasgassem do meu peito as fibras.
Rouba ela, pois, meu ar, e tu
Renovado fôlego me dás.

Um comentário:

Pâmela Grassi disse...

quando me enamoras
de movimentos me embriagas
respingas, pois
a lua em meu peito